junho 2009


Era uma vez numa galaxia muito distante (nao distante o suficiente) um criente com numeros limitados de neuronios – mas que achava que manjava de rede – e um sujeito que queria acessar o VNC desse criente.

Depois da 1a tentativa infrutifera de acessar o VNC do dito criente, o sujeito vem aqui pra, obviamente, me responsabilizar pela falta de conectividade entre a nossa rede e a rede do criente. Como sempre, eu, como nao tenho mais com que me ocupar, fico sabotando as regras de firewall para que ninguem aqui da empresa consiga conectar em outra empresa.

Apos alguma discussao acalorada, em que predominaram algumas palavras-chave (“PORRA”, “tao me SACANEANDO”, “nao conecto no CLIENTE”), eu verifiquei nossas regras de firewall, e confirmei que nao havia nenhuma restricao ou roteamento pra que o sujeito nao conectasse no dito criente…

Insatisfeito, o sujeito, “de volta ao planejamento”, tentou outra conexao e veio novamente me injuriar e caluniar, por causa da minha incapacidade de editar regras de firewall pra que ele pudesse conectar no VNC do cliente.

Dessa vez, no entanto, fui com o companheiro pra conectar no VNC la pela maquina dele. Ele me mostra a tela de conexao do VNC, no qual consta o servidor “192.168.20.13”… Precisa comentar? -.-

Quando eh que esse sofrimento vai acabar?

Tava eu e o sujera aqui na minha maquina, mexendo num server via SSH que iriamos reiniciar, quando pedi pra ele:

Bota o CD pra gente rebootar
– Ta!

Ele pega o MEU drive de CD e EJETA, e poe o cd DENTRO.

Eu, calmamente, falo:

– Mas… voce nao vai por o CD no SERVER que a gente vai reiniciar?
– E mesmo!

E la vai ele, todo feliz e saltitante, como se nada tivesse acontecido.

Chegando la (na mesa em frente a minha), ele comeca a olhar confuso para as quatro maquinas pensando qual delas seria. Eu, ja precavido, ejetei o drive bem na hora, pra ele nao ter duvidas. Ele meio assustado viu ejetando, mas ignorou solenemente, ate que eu quase gritei:

– EU EJETEI O DRIVE, BOTA O CD NESSE!

Tem uns que nem com cabresto, aff

— Psicografado conforme ditado pelo espirito anti-sujera Eduardo

Tive uma reuniao um tanto quanto desgastante com um cliente semana passada, porque o companheiro la nao entendia patavinas de email, mas queria botar panca de quem manja tudo.

Depois de uns 5 dias reclamando que “o sistema esta com problema – se eu uso o IP funciona, se eu uso o nome, nao vai. Isso eh inadimissivel no servidor de email e ….”, tivemos uma reuniao la e ficou estabelecido que edicao do DNS pra colocar os MX estava fora do escopo do nosso projeto, mas que dariamos umaforca pro cliente.

Depois de uns 40 minutos tentando empurrar dentro das cacholas diminutas dos nosso colegas administradores la o conceito de MX, ficou acertado que ambos teriam o mesmo peso e que se chamariam mail1 e mail2.dominio.sujera.br

Assim que eu chego aqui na minha querida mesa de trabalho, dou um dig no dominio das ostras e… tchan tchan tchan tchan… esta la

slave.dominio.sujera.br (com peso 0) e master.dominio.sujera.br (com peso 20)

Fala serio se nao da vontade de morrer de catapora…